Avançar para o conteúdo principal

As lâmpadas vivas


I.

São sem número, de varia beleza, de luz diversa, mas todas chamadas e postas lá entre a arcadas do templo, na vizinhança do tabernáculo, a fazer companhia a Jesus.

Cada alma cristã é chamada a expandir uma luz de fé e de amor junto da Eucaristia; tenha ela coroa de rosas sobre a fronte ou traga uma de espinhos sobre o coração, saiba cantar ou não saiba se não chorar, Jesus a chama a si: e ela vai aonde a chama essa voz toda misteriosa, mas doce de amor.

Quem é esta alma?

É uma donzela de coração puro como o pensamento de um anjo, de mente serena como a alva do Paraíso.
Ela traz a Jesus o cântico dos seus virginais entusiasmos, o odor delicado dos seus lírios, o cintilar de seus olhos resplandecentes de inocência batismal.
Ignara de certas tempestades, com a alma cheia de sorrisos, ela fala a Jesus com a cândida ingenuidade de uma criança que se lança nos braços de seu pai, diz-lhe que lhe quer bem, manda-lhe beijos e caricias, e n’uma linguagem que não tem nada de convencionalismo humano, narra-lhe a historia intima de mil esperanças, de propósitos arrojados, de temores indefinidos. . . e depois inclina a cabeça, cobre o rosto com as mãos  . . . Talvez chore, mas as suas lágrimas são lágrimas de felicidade.
É uma virgem consagrada ao senhor, educada já na escola das mais ásperas imolações, dos mais dolorosos sacrifícios e d’um amor santo e inebriante, que tem um tique de Golgotha e de Cenáculo ao mesmo tempo.

Depois de ter derramado em volta de si, entre as dores e a miséria dos infelizes, a luz da paciência, do zelo e da caridade, recolhe-se aos pés de Jesus a procurar nova luz para amanha a espalhar por entre os bancos d’uma escola ou pelas enfermarias d’um hospital; e esta lâmpada virginal alterna os seus esplendores entre Jesus que sofre na casa da desventura e Jesus que repousa na prisão do amor.

È uma mãe crista que traz aqui as trepidações d’um coração que adivinha os perigos do futuro, como sente as desilusões do passado, a qual oferece a Jesus um pranto derramada no silêncio de uma resignação sorridente, enquanto o exorta a derramar dobre a cabeça e o futuro dos seus filhos um cálice de bênção e talvez de perdão.

É talvez uma mãe feliz que não sabe onde melhor plantar as flores da alegria do que á sombra de Jesus pôr a sombra os frutos do seu amor.

É talvez uma mãe desventurada que só junto do tabernáculo sabe encontrar um conforto á sua alma angustiada e torturada por uma irreligião blasfema, que lhe reveste de espinhos as paredes domesticas, que lhe asperge de absinto o pão da mesa familiar e lhe suja talvez ate de lama o tálamo nupcial.

É talvez uma alma dolente, mas de uma dor brotada nas profundidades de um coração que volta da morte á vida da virtude.

Como é bela esta lâmpada quando arde diante do Sacramento!

Os Anjos da Eucaristia, ao vê-la, suspendem os seus cantos de glória, para que o canto d’aquela dor vá ecoar no coração com a harmonia sublime do arrependimento, e d’uma nova redenção.

A prece de uma alma arrependida é muito superior á intelectualidade e ao sentimento dos homens, e o fazê-la ouvir entre os filhos da culpa seria o mesmo que profana-la.

O único que lhe compreende toda a beleza e sabe corresponder á sua grandiosidade, é Jesus.

Os reis da terra poderão suspender das arcadas do templo lâmpadas de ouro, mas bastará o gemido e a dor de uma alma arrependida para lhes ofuscar os esplendores.

É uma alma marcada de um caracter indelével: é um sacerdote.

A Hóstia é toda a sua razão de ser, a Hóstia é o brazão da sua glória, a Hóstia é o vigor do seu apostolado, a Hóstia é a arma pacífica das suas batalhas, a Hóstia é o pão da sua vida, é a doçura da sua boca, é o anelo de seu coração; é o ideal, o conforto, o premio da sua fadiga; a Hóstia é o seu sol, o seu Céu, o seu Deus.

Ele é luz que deve brilhar no meio dos homens, mas bem depressa se extinguiria a sua lâmpada, se cada dia não avivasse a sua chama com adoração amorosa da Eucaristia; e ele vai todos os dias junto do seu tabernáculo adorar o seu Deus com a chama do amor sacerdotal.

Ah! Como seriam esquálidos os templos, se não brilhasse junto do altar a lâmpada do sacerdote!
É uma alma cansada de peregrinar sobre a terra e que se sente já perto da morte e da eternidade.
Sobre ela caíra em breve o golpe da morte, e ela enviará o ultimo raio de luz para o tabernáculo e cairá despedaçada sobre os degraus do altar.

(…) Entre ela e Jesus desapareceu toda a nevoa da ilusão, e entre os seus corações é mais livre a corrente d’uma fé que sobe da terra para o Céu, e d’um amor que desce do Céu para a terra; é a vigília dos eternos esponsais. (…)

Dentro em breve é uma lâmpada a menos apagada entre as sombras do mistério, amanhã uma lâmpada a mais entre os fulgores da glória. (…)

O altar de Jesus exige da humanidade lâmpadas, lâmpadas de virtude, lâmpadas de candor, de sacrifício, de pranto e de esperança imortais; e a humanidade responde á chamada e manda as suas almas mais belas a resplandecer por longas horas junto do Sacramento dos mais profundos e sublimes mistérios. (…)

Ó almas cristas não dissipeis a vossa luz no pó revolto do mundo, trazei-a entre os silêncios místicos do templo, fazei-a reverberar os seus raios sobre a portinha humilde do tabernáculo.

É sempre mais bela uma lâmpada ardente junto de Jesus, que um sol brilhante sobre a vaidade e entre as culpas da terra.

(Retirado do livro: Centelhas Eucarísticas, 1916; 3ª Serie – 1ºEdição, capitulo VIII, pagina 76 e …
Traduzido do italiano pelo Ver. Dr. António José Gomes, vice-reitor do seminário de S. José de Macau na China)



Nota: Mantive o texto como apresenta no livro com a escrita antiga.
          Lâmpadas Vivas é o seguimento do post anterior: A lâmpada (Introdução)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ROSARIO DOS AFLITOS

NOSSA SANHORA MÃE DOS AFLITOS, NOSSO AUXILIO, NOSSO IMEDIATO CONSOLO.
«Terei compaixão dos filhos que rezarem este rosário nas horas aflitas. Darei o meu auxílio e o meu imediato consolo.»


COMO REZAR O ROSARIO DOS AFLITOS.

Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amem.

Invocações ao Espírito Santo

Vinde Espírito Santo, Amor do Pai e do filho, visitai-me e enchei o meu coração com a vossa divina graça, fazei que a minha alma seja para sempre a vossa morada e o meu corpo vosso sagrado templo, ajudai-me a ser fiel á graça de Deus e inflamai-me no fogo do vosso amor, agora e sempre. Amem.

Oração do Credo

Creio em Deus Pai, Todo-poderoso, criador do Céu e da Terra; e em Jesus Cristo, seu único filho, nosso Senhor; que foi concebido pelo poder do Espírito Santo; nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu á mansão dos mortos; ressuscitou ao terceiro dia; subiu aos céus, está sentado á direita de Deus Pai Todo-Poderoso de onde há-de vir a…

Oração Nossa Senhora do Desterro

Imprimir e dobrar.

Pai-nosso pequenino

Pai-nosso pequenino,
Quando Jesus era menino
Tinha as chaves do paraíso.
Quem lhas deu,
Quem lhas daria?
Foi a Santa Madalena.
Cruz no monte,
Cruz na fonte,
Nunca o diabo nos encontre,
Nem de noite, nem de dia,
Nem ao pino do meio-dia.
Já os galos pretos cantam,
Já o Senhor subiu à cruz.
Arcas Santas bem fechadas,
Viva o Corpo de Jesus.
Ámen.